news.med.br

Mais acessados

O ato de habitualmente morder a boca está frequentemente associado ao estresse e à ansiedade

O ato de habitualmente morder a boca está frequentemente associado ao estresse e à ansiedade

O hábito compulsivo de morder a boca1, tanto os lábios quanto a parte interna da bochecha2, é muito mais comum do que se imagina. Classificado como um comportamento repetitivo focado no corpo, o hábito é considerado mais comum entre aqueles que lidam com estresse ou ansiedade. Em um estudo publicado na revista BioMed Research International, os pesquisadores investigaram a mastigação como um comportamento de enfrentamento do estresse. O estudo aponta que a mastigação sob condições estressantes atenua os aumentos induzidos pelo estresse na corticosterona plasmática e nas catecolaminas, bem como a expressão de substâncias relacionadas ao estresse, como fatores neurotróficos e óxido nítrico. Além disso, a mastigação reduz as alterações induzidas pelo estresse na morfologia do sistema nervoso central3, especialmente no hipocampo4 e no hipotálamo5.
1 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
2 Bochecha:
3 Sistema Nervoso Central: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
4 Hipocampo: Elevação curva da substância cinzenta, que se estende ao longo de todo o assoalho no corno temporal do ventrículo lateral (Tradução livre de Córtex Entorrinal; Via Perfurante;
5 Hipotálamo: Parte ventral do diencéfalo extendendo-se da região do quiasma óptico à borda caudal dos corpos mamilares, formando as paredes lateral e inferior do terceiro ventrículo.
Além das bactérias: viroma intestinal na primeira infância está associado ao desenvolvimento de asma infantil

Além das bactérias: viroma intestinal na primeira infância está associado ao desenvolvimento de asma infantil

Em um novo estudo, publicado na revista Nature Medicine, pesquisadores caracterizam profundamente o viroma intestinal do início da vida, que consiste principalmente em bacteriófagos (fagos) e cuja diversidade excede em muito a diversidade bacteriana. Foi relatado que o viroma intestinal infantil está associado ao risco de asma1 pré-escolar, independentemente das bactérias. Descobriu-se ainda interações intrigantes com a genética imunológica.
1 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
Mudança precoce para antibióticos orais se mostrou segura na bacteremia gram-negativa não complicada

Mudança precoce para antibióticos orais se mostrou segura na bacteremia gram-negativa não complicada

O risco de mortalidade1 por todas as causas foi semelhante em pacientes com bacteremia2 gram-negativa não complicada que mudaram precocemente de antibióticos intravenosos para antibióticos orais, de acordo com um estudo de coorte3 retrospectivo4 publicado no JAMA Network Open. Dos pacientes que fizeram a transição precoce para antibióticos orais, 6,9% morreram em um acompanhamento de 3 meses, em comparação com 14,3% dos pacientes que receberam tratamento prolongado com antibióticos intravenosos.
1 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
2 Bacteremia: Presença de bactérias no sangue, porém sem que as mesmas se multipliquem neste. Quando elas se multiplicam no sangue chamamos “septicemia”.
3 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
4 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
Vermes parasitas que residem no intestino abrem a porta para vírus perigosos, facilitando as infecções virais

Vermes parasitas que residem no intestino abrem a porta para vírus perigosos, facilitando as infecções virais

Os vermes intestinais infectam cerca de dois bilhões de pessoas em todo o mundo. Algumas regiões onde esses vermes são endêmicos também apresentam taxas excepcionalmente altas de doenças infecciosas, como a malária. Agora, um estudo publicado pelo periódico Cell descobriu que, com seu efeito no revestimento do intestino, um parasita1 auxilia outro agente infeccioso. Foi demonstrado, especificamente, que a coinfecção por helmintos2 aumenta a suscetibilidade de vários flavivírus neurotrópicos.
1 Parasita: Organismo uni ou multicelular que vive às custas de outro, denominado hospedeiro. A presença de parasitos em um hospedeiro pode produzir diferentes doenças dependendo do tipo de afecção produzida, do estado geral de saúde do hospedeiro, de mecanismos imunológicos envolvidos, etc. São exemplos de parasitas: a sarna, os piolhos, os áscaris (lombrigas), as tênias (solitárias), etc.
2 Helmintos: Designação comum a diversas espécies de vermes endoparasitas, pertencentes aos filos dos platelmintos, asquelmintos e outros de afinidade taxonômica incerta; verme.
Buprenorfina é menos arriscada para a maioria dos defeitos congênitos do que a metadona

Buprenorfina é menos arriscada para a maioria dos defeitos congênitos do que a metadona

O risco de malformações1 congênitas2 parece ser menor com a buprenorfina do que com a metadona quando tomada durante o primeiro trimestre de gravidez3 para transtorno por uso de opioides, de acordo com uma análise de dados do Medicaid, publicada no JAMA Internal Medicine. No grupo da buprenorfina, o risco de malformações1 congênitas2 foi de 50,9 em 1.000 gestações, em comparação com 60,6 em 1.000 no grupo da metadona. Após ajuste para fatores de confusão, isso se traduziu em uma redução de 18% no risco de malformações1 congênitas2 com buprenorfina.
1 Malformações: 1. Defeito na forma ou na formação; anomalia, aberração, deformação. 2. Em patologia, é vício de conformação de uma parte do corpo, de origem congênita ou hereditária, geralmente curável por cirurgia. Ela é diferente da deformação (que é adquirida) e da monstruosidade (que é incurável).
2 Congênitas: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
3 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.

Elogios, críticas ou sugestões

Seu nome:
Seu email:
Mensagem:

  • Entrar
  • Receber conteúdos